Notícias

11/05/2016 - Teatro burlesco à brasileira

O teatro burlesco, um estilo de representação artística surgida no século XVI na Itália, em que se criticavam de forma grotesca, debochada e satírica os costumes sociais e políticos da época, depois de consagrado no romance “Scaramouche, o Fazedor de Reis”, de Rafael Sabatini, andava meio abandonado. De repente, graças à vocação de determinados políticos brasileiros para a comédia, está sendo reencenado. O mais recente episódio – a “anulação” da votação do impeachment da presidente Dilma pelo presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão, fez o mundo político internacional rir, e a imprensa mundial afirmar que o Brasil “virou chacota”. Segunda-feira, em evento com movimentos sociais, que irromperam em aplausos após tomarem conhecimento do ato “anulatório” de Maranhão, Dilma, pressurosa, apressou-se em afirmar que nada sabia daquela notícia, e que não tinha nenhuma informação sobre a sua veracidade… Mas, como a verdade às vezes demora, mas aparece, sabe-se agora que a Presidente estava “por dentro de tudo”, já que a açodada decisão do substituto de Eduardo Cunha havia sido planejada desde o final da semana, concretizando-se domingo, num conciliábulo reunindo, na casa do deputado Silvio Costa (PTdoB-PE), o deputado Maranhão, o governador Flávio Dino (PCdoB-MA) e o advogado geral da União, Eduardo Cardozo. Ali, sob o efeito de muito vinho e tiquira (aguardente maranhense), ante as hesitações do presidente da Câmara, Cardozo assegurou-lhe redigir o texto daquele ato que Maranhão assinou e levou a público. O preço para esse cidadão prestar-se a esse triste papel? O apoio do governador Dino para o Senado-2018. O resto, já se sabe. Mas, o que mais se destaca é a presidente Dilma jurar em público de nada saber a respeito de uma tramoia arquitetado pelo seu maior e mais fanático defensor, Cardozo (!). Desce o pano para mais um ato dessa farsa. É assim que se atira na lama a confiança de uma população.

A propósito… dos dólares do BID, US$ 50 milhões serão direcionados ao Proares que, como fez questão de lembrar o senador José Pimentel (PT), trata-se de programa da Era Tasso Jereissati.

Para o… presidente da Fiec, Beto Studart, é auspicioso a indústria do Ceará, mesmo em plena crise, superar-se, e superar, na média, o crescimento em estados como São Paulo, Minas e Rio de Janeiro.

Desde… os primeiros momentos da “anulação” da sessão do impeachment votado na Câmara, o deputado Raimundo Matos (PSDB) desconfiava de que havia a digital do PT. E foi só o que deu…

Vá entender. Segundo o já conformado deputado José Guimarães, líder do Governo, o seu partido e aliados não irão “tocar fogo” no País; apenas levarão o povo às ruas para mostrar ao mundo o “atentado à democracia”…

Apesar da… expectativa até em nível nacional de que seria o ministro da Indústria e do Comércio, o senador Tasso descarta essa possibilidade, alegando que no Senado ajudará muito mais a Temer e ao País.

Começa a… avançar a “corrida” dos pré-candidatos à PMF Heitor Férrer (PSB) e Wagner (PR) pelo fundamental apoio do PSDB, que deverá dar uma resposta na próxima semana, a este último.

Antes de… deixar a sua pasta, o ministro André Figueiredo conferiu a várias personalidades a “Medalha do Mérito das Comunicações”, entre outros, os cearenses Lúcia Dummar, do “O Povo” e Tarcisio Colares.

E continua… o “imbróglio” no PP-CE. O deputado Adail, destituído da presidência para o retorno do Padre Zé Linhares, já Avisou que vai apelar ao STJ, com todo o apoio da executiva nacional da sigla…

Com a saúde… Fortaleza no caos, funcionários do Hospital das Clínicas e da Maternidade-Escola paralisaram os trabalhos por 48 horas, alegando falta de condições de trabalho e salários defasados.

“Não sei por que as pessoas optam pela corrupção, se há muitas outras maneiras de ser desonesto”. Brenon Salvador, jornalista e pensador paranaense, de Londrina.

Fonte: O Estado

Mais notícias

25/09/2017
22/09/2017
20/09/2017
13/09/2017
veja mais