Notícias

06/03/2016 - Cúpula nacional do PSB realiza encontro em Fortaleza

Depois das presenças dos presidentes das executivas nacionais do PDT, Carlos Lupi; do PSD, Gilberto Kassab; e do PMB, Suêd Haidar na semana passada, na próxima quinta­feira será a vez do presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, comparecer a Fortaleza para tratar de assuntos partidários. Ele, juntamente com a cúpula da sigla socialista, desembarcará na Capital cearense para realizar o encontro estadual da sigla que procura se fortalecer no Estado, principalmente, com vistas as eleições de outubro próximo.


Além de Siqueira, estão confirmadas as presenças do presidente da Fundação João Mangabeira , Renato Casagrande, do governador de Pernambuco, Paulo Câmara, da socióloga Aspásia Camargo e do filho do ex­governador de Pernambuco, Eduardo Campos, o chefe de gabinete de Pernambuco, João Campos. 

Na semana passada, o PSB, enfim, se afirmou como oposição ao Governo Dilma Rousseff, diante as denúncias que teriam sido feitas pelo senador Delcídio do Amaral em provável delação premiada. Ele teria confirmado o envolvimento da presidente Dilma Rousseff e do ex­presidente Luiz Inácio Lula da Silva na tentativa de inviabilizar investigações que estavam sendo feitas no esquema de corrupção na Petrobras. 

Heitor diz que PSB faz oposição ao PT lá e cá 

O evento do PSB, que será realizado no Clube da Caixa, em Messejana, começará a partir das 13 horas e será comandado pelos presidentes estadual e municipal da sigla, Danilo Forte e Heitor Férrer. Ao Diário do Nordeste, Férrer destacou que o PSB percebeu que os rumos governamentais e do Partido dos Trabalhadores tem novo viés político, por isso a sigla socialista se colocou como oposição, devido ao desenrolar das investigações da Operação Lava Jato.  

“É um momento muito duro para o PT. Agora, o PSB faz oposição lá e faz oposição aqui”, disse Férrer, destacando ainda que o PSB não procurará o PT em um primeiro momento de composições. No entanto, ele afirmou que não saberia dizer se a sigla não aceitaria um apoio petista na Capital em um provável segundo turno, pois essa decisão caberia às instâncias partidárias. “Eu, particularmente, acredito que o PSB não apoiará a candidatura do PT e vice­versa”.

Fonte: Diário do Nordeste 

Mais notícias

14/11/2017
07/11/2017
21/11/2017
14/11/2017
veja mais