Na Mídia

21/10/2017 - Não tem mais a quem apelar

Se existe um meio para impedir que a Operação Lava-Jato não seja sepultada pelos corruptos que assolam o Poder Legislativo do País. É o STF resolver os seus desencontros e diferenças internas. Não é mais segredo que o Congresso Nacional e o STF articulam-se, claramente, com o objetivo de acabar com a delação premiada, prisão preventiva e prisão pela segunda instância. Sem essas três armas, a Lava-Jato perderá a sua força. Isso significa um crescente cerco à operação. A decisão do Supremo, de entregar ao Legislativo a sorte de políticos denunciados por crimes contra a Nação vai escancarar a porteira para senadores, deputados federais, estaduais e vereadores a continuarem fazendo a festa, praticando os ilícitos que hoje praticam. Nesse caso, torna-se quase impossível a Moro e seus companheiros conseguirem delações e testemunhos, assim como prisões preventivas de indivíduos de culpabilidade comprovada, salvos da “espada de Dâmocles” pela Justiça, de que são merecedores. Se o Congresso Nacional aprovar as medidas vergonhosas denunciadas por Moro, teremos uma legião de corruptos livres, até por prescrição, de seus crimes, sem se falar na lentidão dos julgamentos do STF, de raras condenações. Uma saída eficiente seria o povo voltar às ruas para reivindicar direitos que lhe são inerentes, lamentavelmente entregues por delegação do voto a uma corja de vagabundos. Se a sociedade não assumir, de uma vez por todas, as suas emoções, seremos todos trucidados.

Ultima parada Num ponto, pelo menos, o deputado Danilo Forte tem razão: é difícil a qualquer parlamentar manter-se fiel à doutrina de um partido, porque essas doutrinas, hoje, são iguais em todos. Depois de eleger-se pelo PMDB e passar pelo PSB, Danilo estacionou no DEM, espera-se que definitivamente.

Oxalá A dobradinha com Heitor Férrer, “excelente companheiro que encontrei na minha difícil caminhada a favor do povo, oxalá possa continuar. Ainda não falei com ele sobre isso”.

Intimorata Eunicio Oliveira fez caminhada popular na Livraria Cultura por ocasião do lançamento do livro “intimorata”, a Saga do Jornal o Estado. E foi aplaudido por populares.

Texto Luís Sérgio Santos esteve impecável na apresentação da obra. Está falando com a mesma facilidade com que escreve. É o melhor texto da imprensa cearense.

Só na Papuda O caso Aécio Neves banaliza o conceito dos políticos. Nivelou por baixo mesmo.Antes, todos eram iguais a gente. Hoje, são iguais só aos hóspedes da Papuda.

Desunião Por mais que seja aconselhável, o primeiro fato que deve ser tomado como pressuposto básico de que não será possível uma nova “União pelo Ceará” é o acentuado grau de desunião dos concorrentes à sucessão estadual.

Gabinete Alexandre Pereira vai assumir o seu gabinete na Fiec. Tem uma sala ao lado do gabinete do presidente Beto Studart. Com novas posições assumidas, pretende marcar presença ocupando espaços.

O Vice Quer assumir com discurso próprio. Vai participar das reuniões do Conselho Diretor, quer ouvir e também ser ouvido, manter encontros com amigos e amigas, e marcar presença com opiniões próprias. O vice irá ocupar o seu espaço.

Sem restrições Não existe a menor restrição à presença do senhor Alexandre Pereira. Segundo Cláudio Targino, a Fiec é uma casa de espíritos desarmados e aptos a receber bem o seu vice-presidente para unir-se aos bons.

Apoio O senador Eunício Oliveira revelou ao colunista que o presidente Temer nunca foi hostil ao governador Camilo Santana. Os pleitos a ele encaminhados, com o meu apoio, foram todos atendidos sem restrições.

Recorde O secretário Mauro Filho, afastado de mandatos eletivos há oito anos, pretende dar uma demonstração de força nas próximas eleições. Pode chegar a Câmara Federal com modestos 300 mil votos.

“Esta é a ultima seca que assola o Nordeste” JK, ao assumir a Presidência em 1956.

Fonte: O Estado

Mais na mídia

12/12/2017
12/12/2017
12/11/2017
12/11/2017
veja mais