Na Mídia

18/10/2017 - Avanço da violência no Ceará repercute entre políticos

Os índices de violência no Ceará voltaram a motivar debate na Assembleia Legislativa e na Câmara Municipal de Fortaleza. Ontem, em plenário, o deputado Heitor Férrer (PSB) afirmou que não adianta uma boa gestão fiscal do Estado se a população vivencia o aumento da violência. O Ceará, de acordo com ele, vive um dos momentos mais graves de sua história em termos de violência, com o aumento de assassinatos sendo constatado todos os meses.

O parlamentar informou que, em setembro de 2016, o Ceará contabilizou 222 pessoas assassinadas, sendo 57 destes apenas em Fortaleza. Em setembro deste ano, ainda de acordo com o parlamentar, o número de assassinatos em todo o Estado subiu para 461. Apenas na Capital foram 173. “Pessoas são mortas todos os dias, a ponto de estarmos assistindo à banalização da violência em nosso Estado”, disse.

Heitor Férrer acrescentou que o número de assassinatos cresceu 187% durante a gestão de Cid Gomes. “Da mesma forma ocorre no governo Camilo Santana, que só nos oito primeiros meses deste ano superou todo o ano passado em número de assassinatos”, apontou.

Ao concordar com as palavras de Férrer, o deputado Odilon Aguiar (PMB) reforçou a necessidade de cobrar e criticar a insegurança do Estado. “Precisamos ser insistentes, pois esse Governo está a um ano e meio do seu fim e não fez nada até agora”, considerou. O deputado disse ainda que “se gabar, nos enviando relatórios apontando índices de redução da violência, é um crime contra o povo cearense”.

Já na Câmara Municipal, a vereadora Eliana Gomes (PCdoB) ressaltou que, além de policiais e delegacias, há a necessidade de melhorias nos espaços públicos e políticas públicas para tentar diminuir a violência no município. Ela ainda defendeu que com ruas e praças iluminadas, “o povo ocupando os espaços públicos e escolas abertas nos finais de semana com atividades direcionadas aos jovens e crianças podem ajudar a diminuir a criminalidade”.

Para a vereadora, equipamentos como os Centros de Apoio Psicossocial (Caps) e conselhos tutelares são essenciais para dar apoio aos jovens em situação de risco. “Nós já tivemos avanços e reconheço o esforço do governador Camilo Santana em enfrentar a violência no Ceará. Contudo, um grande trabalho social ainda precisa ser feito”, observou.

Já o vereador Dummar Ribeiro (PPS) disse que “pessoas estão morrendo em Fortaleza não por conta de preconceito, mas por conta das ações do crime organizado”. Para o parlamentar, é preciso combater a violência que acontece na Capital.
Ainda na tribuna da Câmara, o parlamentar apresentou diversos vídeos em que crianças e adolescentes roubavam e portavam armas, lamentando que a violência “está aumentando principalmente na periferia”. Embora afirme reconhecer que o governador Camilo Santana (PT) esteja trabalhando para conter a violência “realizando concursos públicos e colocando mais policiais na rua”, o vereador cobrou melhorias na segurança pública.

Outro a se manifestar foi o vereador Michel Lins (PPS). Ele defendeu que “o caminho para resolver a segurança é por meio de uma educação de qualidade”. E o vereador Iraguassu Filho (PDT) disse que “o problema de armas e drogas” é uma questão nacional, e que o governador Camilo Santana e o prefeito Roberto Cláudio estão trabalhando da melhor forma que podem para combater a situação.

Fonte: O Estado

Mais na mídia

12/12/2017
12/12/2017
12/11/2017
12/11/2017
veja mais