Na Mídia

07/06/2017 - OPOSIÇÃO ATACA CID GOMES NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Atingido por duas denúncias, esta semana, o ex-governador Cid Gomes foi o alvo da oposição na sessão de hoje, na Assembleia Legislativa. Cid Gomes é acusado pelo Mistério Público Federal de um suposto crime contra o sistema Financeiro Nacional, em função de um financiamento de R$ 1,3 milhão, obtido junto ao Banco do Nordeste, para a construção de galpões em Sobral.

O ex-governador também está envolvido em outra polêmica, com o o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e o Instituto Chico Mendes (ICMbio), que embargaram uma construção em propriedade do ex-governador Cid Gomes, na Serra da Meruoca.

Cid Gomes negou a acusação do MPF, em nota oficial encaminhada à imprensa. Sobre o embargo da construção da Serra da Meruoca, o ex-governador disse que está sendo vítima de perseguição política. Segundo ele, a obra está regularizada e vai acionar a justiça contra as medidas tomadas pelos órgãos ambientais.

Os deputados oposicionistas Capitão Wagner (PR), Leonardo Araújo (PMDB) e Heitor Ferrer (PSB) e Odilon Aguiar (PMB), fizeram criticas ao ex-governador. O deputado Capitão Wagner cobrou uma apuração rigorosa da denúncia de que o ex-governador Cid Gomes teria cometido crime contra o Sistema Financeiro Nacional na construção dos galpões, no município de Sobral. "É algo muito grave que um então governador chegue em um banco público e consiga um empréstimo adotando mecanismos irregulares e superfaturando recursos. Considero uma imoralidade se utilizar do cargo de governador para benefício pessoal", criticou o deputado.

Já Heitor Férrer afirmou que empréstimos, em casos como o do ex governador, são concedidos porque o banco tem no seu comando uma indicação política que não resiste ao assédio de uma autoridade de Estado. "A direção dos bancos privados é assumida por técnicos qualificados da área de Economia. A indicação para os bancos oficiais que lidam com o dinheiro público é política. Ora, o Banco do Nordeste, como os demais, tem técnicos na sua estrutura que deveriam ser os protagonistas para assumir a presidência desse banco, porque conhecem a instituição como ninguém e dirigiriam dentro da mais técnica forma possível. Mas no Brasil, a indicação é puramente política, deixando à margem a competência técnica. Está aí o resultado", criticou Heitor Ferrer.

O deputado Leonardo Araújo (PMDB) abordou a ação conjunta do Ibama e do Instituto Chico Mendes, que embargou a construção na propriedade do ex-governador Cid Gomes, na Serra da Meruoca. Segundo ele, os dois órgãos são independentes e nenhum tem cargos de direção ocupados por indicações de políticos do Ceará. O parlamentar também destacou que, por se tratar de Área de Proteção Ambiental, o Ibama e o ICMbio têm total competência de realizar embargos na Serra da Meruoca. Leonardo Araújo também declarou que Cid Gomes teria recebido "propinas de R$ 24 milhões da empresa JBS".

O deputado Odilon Aguiar (PMB) avaliou que é prerrogativa da Assembleia analisar a denúncia. "Esta Casa não pode se calar diante de diversas irregularidades e denúncias que são apresentadas envolvendo figuras como o ex-chefe do Poder Executivo", afirmou. Para ele, "é prerrogativa e papel do Poder Legislativo analisar e investigar tudo o que está sendo denunciado".

A defesa do ex-governador foi feita, em aparte, pelo deputado Evandro Leitão (PDT), líder do Governo na Assembleia. Ele cobrou prudência dos colegas nas críticas na tribuna. "É preciso muita serenidade e prudência para tudo o que se fala nesse momento", solicitou. Ele lembrou que o caso ainda não foi julgado. Evandro Leitão ressaltou ainda que, em nota divulgada pelo ex-governador, foi esclarecido que a obra estava regular, com alvará de licença para construção, e, em relação às garantias, elas não necessariamente precisam ser valores em dinheiro.

Fonte: Brasil 247

Mais na mídia

07/12/2017
07/12/2017
06/12/2017
06/12/2017
veja mais