Na Mídia

23/05/2017 - Parte do PSB reage em Brasília e em Fortaleza

-

A crise no governo Temer, que cresce nos últimos dias após a divulgação da delação da JBS, também tem abalado partidos aliados que, em meio a divisões internas, já desembarcaram da base aliada do governo. No PSB, por exemplo, não é consenso a decisão tomada pela executiva nacional no último sábado (20), de que a sigla fará oposição e defenderá, ainda, a renúncia do peemedebista. Único deputado federal cearense do PSB, Danilo Forte afirma que romper com o governo exigiria "debate mais aprofundado, uma visão mais do todo, não apenas da questão eleitoral". Segundo ele, questão será discutida em reunião da bancada da sigla amanhã (24).

LEIA MAIS

.Cid Gomes nega ter recebido propina e anuncia processos 

No partido, que tem vivido rachas internos desde a votação da reforma trabalhista na Câmara, no dia 27 de abril, o clima é de divisão. "Tem vários sentimentos dentro do partido. Se você for analisar a bancada da Câmara e do Senado, a maioria acha que o País precisa das reformas, ninguém vai tirar o País da crise sem fazer mudanças em profundidade", sustenta o parlamentar. Questionado se permanece compondo a base aliada de Temer, Danilo Forte afirma que continua defendendo "reformas que o Brasil precisa".

"É lógico que, se comprovadas as denúncias que estão aí colocadas, aí tem o espaço para fazer questionamento sobre a condição ou não de o governo continuar esse processo", admite, opinando, porém, que o PSB não pode "contribuir para a instabilidade no País" com uma decisão "imposta" pela direção. "É uma visão mais em função do clamor da rua, e não propriamente alicerçada numa visão mais de Estado. Quando o partido tomou a decisão a favor do impeachment, era para fazer as reformas que o País está precisando". Não é a primeira vez em que Forte discorda da executiva nacional. Quando votou a favor da reforma trabalhista, perdeu a presidência estadual da sigla e tenta reverter a punição.

Representação

Já no Ceará, o deputado estadual Heitor Férrer (PSB) deu entrada, ontem, em representação na Procuradoria Geral de Justiça do Ministério Público Estadual (MPCE) e no Ministério Público Federal (MPF), pedindo que sejam tomadas providências para acionar judicialmente e destituir dos cargos os secretários Arialdo Pinho e Antônio Balhmann, após serem citados na delação da JBS por recebimento de propina. Heitor também apresentou requerimento na Assembleia Legislativa solicitando ao governador Camilo Santana (PT) a exoneração dos secretários. Pinho é titular da Secretaria de Turismo e Balhmann é o secretário de Assuntos Internacionais.

Fonte: Diário do Nordeste

Mais na mídia

24/09/2017
25/09/2017
26/09/2017
25/09/2017
veja mais