Análises

29/10/2015 - COLUNA - Macário Batista

De tudo neste país se faz um cavalo de batalha. Os oportunistas vivem de olho em tudo pra tirar qualquer tipo de proveito, proveito. Para seus interesses pessoais, sejam aparecer na mídia, sejam até os de cunho pecuniário. No mundo político, então, nem se fala. Neguim bota a cara pra bater usando armas que nem suas são, como forma de tirar algum tipo de proveito junto à sociedade. Muitas vezes, dão com a cara na parede, mas não perdem a oportunidade. Dito isso, vamos ao que interessa. Tentaram transformar uma opinião do deputado Ivo Gomes numa coisa do outro mundo. O homem disse que havia dinheiro sim, no Governo do Estado para tocar o Hospital de Quixeramobim. Se não tem, disse ele: O Governo que se vire pra arrumar e fazer os atendimentos das fases secundária e terciária da saúde cearense. E disse isso com tranquilidade, como conhecedor do Governo ao qual serviu, tão recentemente, numa secretaria de muita importância. Nada de valha-me Deus, mas tentaram arregalar os olhos, como se Ivo Gomes estivesse brigando, ralhando, desafiando o Governo. Ivo pra quem não conhece, é um moço de fino trato, mas, como vem do berço e do sangue, bate a espoleta vez em quando, principalmente quando fica um bocado de gente dizendo coisas que vão contra os princípios dele. Defender que não há como abrir e botar pra funcionar o Hospital de Quixeramobim, tirou Ivo do canto dele pra dizer o contrário. Sem briga, apenas taxativo, como costuma ser. Eu conheço o moço. Tem gente que explode por motivos diversos, incluindo aí até umas ressacas doidas. Ivo não bebe nada. Está sempre lúcido e atento, capaz de verbalizar seus sentimentos com segurança e competência. Se vocês vissem o diploma dele, recebido em Harvard (em Harvard não se vendem diplomas), todo em latim, cês melhor saberiam de quem estou falando.

Pérolas aos porcos No empate sem gols entre Fortaleza e Brasil de Pelotas, realizado no último dia, 17, foram 965 cadeiras danificadas no Castelão. Com receio de pagar pelo saldo negativo dos vândalos, o Fortaleza pediu  abertura de inquérito policial no 16º DP (responsável(?) pela área do Castelão), para que sejam identificados os responsáveis pelo vandalismo. “Mantenho o meu pensamento de que é preciso identificar e punir. Acredito na apuração dos fatos e que dessa vez a coisa vai funcionar”, disse o presidente Jorge Mota.

Não acredite, Jorge Mota. Não existe segurança no Ceará.

Vencer é pouco

Antonio Ribeiro lembra que Voltaire dizia que vencer é pouco e que o importante é que é preciso seduzir. Ninguém venceu se não seduziu. Só pagou pelo voto e pronto. Tá cheinho disso pela aí. Hora dessas, vai feder. Avisei. 

Sobe o tom

Heitor Férrer anda ensandecido com o Governo do Estado. É pré-candidato a prefeito de Fortaleza, mas parece estar cobrando a conta do Governo do Estado.

Olhe aí...

Ta tudo errado?

Férrer contrapôs  os gastos públicos com a Casa de Representação do Ceará, em Brasília, o aluguel de passarelas temporárias bem como com a compra da Usina

de Barbalha... 

E mais...

E a compra das tuneladoras para o Metrofor com as alegações do Governo de falta de verbas para o custeio dos hospitais polos no interior do Estado.  

 Arrematou

“Se o Ceará não está bem financeiramente, precisa economizar. São obras paradas porque não tem verba, pessoas sem atendimento no sistema público de saúde e o Governo charlando com o dinheiro público”, criticou. Charlando! É o novo!!! 

Quer dizer...

A Prefeitura reforma, faz, amplia, arruma e a segurança de m..... do Ceará cria fossos por onde a comunidade não pode passar. Onde se junta gente em Fortaleza, no Ceará, junta bandido de toda espécie. A segurança de b.... não existe.

Fonte: O Estado

Mais análises

14/06/2016
10/05/2016
09/05/2016
21/12/2015
veja mais