Análises

27/06/2014 - Jornal O POVO: "Número de homicídios no Ceará extrapola meta trimestral"

Limite de assassinatos no Estado foi afixado em 947 ocorrências para os três meses. Saldo do trimestre já é de 984 casos. Balanço preliminar do período da Copa do Mundo aponta 66 homicídios em Fortaleza

notícia 8 comentários
TATIANA FORTES
O somatório dos homicídios registrados no Ceará nos meses de abril (351), maio (360) e junho (273 casos, até o último dia 23) deste ano já chega a 984 mortes. Dessas ocorrências, 162 foram no período da Copa do Mundo, que teve início no último dia 12. Em Fortaleza, pelo menos 66 pessoas morreram durante o Mundial. O balanço já extrapola em 3,9% a meta trimestral para os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) estabelecida pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), que é de 947 ocorrências entre abril e junho. É o que aponta levantamento do O POVO, com base nos dados preliminares da SSPDS. A expectativa dos órgãos de segurança, agora, é que apenas a meta mensal para o mês de junho seja cumprida. Para tanto, é necessário que os homicídios não ultrapassem o limite de 340 casos, ficando 6% abaixo das mortes ocorridas no mesmo período do ano passado, quando 362 pessoas foram assassinadas. Para alcançar o objetivo, a SSPDS conta com o reforço no efetivo da segurança em Fortaleza, que durante a Copa envolve aproximadamente sete mil homens, de diferentes órgãos.

“Muito embora essa meta geral não tenha sido atingida, estamos contribuindo positivamente para uma redução. Nosso objetivo maior é salvar vidas. Se fizermos isso, já estamos fazendo muito. A diferença é que batendo as metas teremos um bônus pecuniário por isso. Mas nosso objetivo é salvar vidas”, justificou o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Lauro Prado.

De acordo com o coronel, apesar da certeza que a meta geral do Estado não será atingida, haverá redução nos homicídios registrados em parte das 18 Áreas Integradas de Segurança (AIS’s) em que o Ceará está dividido. Prado, contudo, não antecipou quais são elas. “Ainda que minimamente, já temos alguma redução. Mas elas só serão sentidas ao longo do tempo. Até pelo trabalho social que deve ser desenvolvido por outras secretarias de Estado. Porque segurança não é apenas um papel da Polícia. É resultado de uma integração de forças”.Passada a Copa do Mundo, Fortaleza ainda terá a segurança reforçada por pelo menos dois dias. A Capital sediará a VI Cúpula do Brics, grupo formado por países emergentes (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Os líderes desses países estarão reunidos no Ceará, nos dias 15 e 16 de julho. Nesse intervalo, a segurança proporcionada por órgão federais deverá ser mantida na Capital, segundo o coronel. Ele defende, contudo, que a tarefa de garantir a segurança do cearense continua sendo exclusivamente da PM.

“Não alteramos em nada a dinâmica do policiamento ordinário. O que fizemos foi escalar as pessoas que estavam de folga na prontidão, caso houvesse alguma situação extraordinária, como os caos de manifestação nos dias de jogos. Mas a presença de forças como o Exército nas ruas nos ajudam muito, embora eles tenham a função é de defesa do território. A tarefa de Polícia ostensiva continua conosco”, concluiu.

 

Serviço

Acesse dados de homicídios no site da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social

Link: http://migre.me/k7o3m

 

Saiba mais


No total, Fortaleza teve, este ano, 1.022 homicídios. No mesmo intervalo, a Região Metropolitana registrou 473 casos de CVLI. Já no Interior, houve 737 casos.

 

Considerando apenas o mês de junho (até o dia 23), nenhuma ocorrência havia sido registrada na AIS-18. Composta pelos municípios de Tauá, Quiterianópolis, Parambu, Arneiroz, Aiuaba, Catariana, Mombaça e Piquet Carneiro, desde o início do ano, houve 15 assassinatos naquela área. O saldo é o mesmo da AIS-6, que corresponde a parte da orla da Capital.

Das 273 mortes registradas em junho, 232 foram provocadas por disparos de arma de fogo. Outras 20 se deram com o uso de arma branca. No restante dos casos, a arma utilizada não foi informada.Em 2013, o Ceará registrou 4.462 homicídios. Para este ano, a SSPDS espera que esse número fique abaixo de 4.194 mortes.As estatísticas de abril, maio e junho referentes aos Crimes Contra o Patrimônio (CVP), que levam em conta todos os tipos de roubo, exceto latrocínio, ainda não foram divulgadas. O motivo, segundo a SSPDS, é que o Sistema de Informação Policial (SIP) está passando por migração para plataforma Web.

Números

Confira o volume de homicídios registrados no Estado este ano:Janeiro: 408 (18,6% a mais. Limite era de 344 mortes)

Fevereiro: 394 (38% a mais. Limite era de 286 casos)

Março: 479 (14% a mais. Limite era de 420 assassinatos)

Abril: 351 (26% a mais. Limite era de 279)

Maio: 360 (10% a mais. Limite era de 327)

Junho: 273 (até dia 23. Limite para o mês inteiro é de 340)

Total: 2.265 (limite para 2014 é de 4.194 homicídios)

Para entender

O Programa “Em Defesa da Vida” é uma política de segurança pública que começou a ser implantada em dezembro de 2013 no Ceará. Foram estabelecidas metas para a redução de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), que incluem homicídios e latrocínios (roubo seguido de morte), afixada em 6%. Já para os Crimes Contra o Patrimônio (CVP), que leva em conta todos os tipos de roubos, a redução deve ser de 20%.
 

O programa também estabelece premiações trimestrais para os agentes de segurança que ajudarem a cumprir as metas. Dentro do modelo de gestão, o Estado foi dividido em 18 regiões geográficas, chamadas de Área Integrada de Segurança (AIS). Somente a Capital concentra seis AISs (1 a 6). Cada uma das AISs tem um representante direto das Polícias Militar, Civil e Corpo de Bombeiros.

Mais análises

14/06/2016
10/05/2016
09/05/2016
21/12/2015
veja mais